quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Visita

Entre sem bater na porta,
encontre a casa vazia
a moldura meio torta
a vitrola e a melodia.

se enrole em meus lençóis
recorde o meu perfume
o estresse e seus nós
o amor e seu costume

em ver chegar mais cedo
percebo que você deixou crescer
a vontade de se livrar do medo
de me amar, de tudo acontecer

deixo sua barba me arranhar
me deixe minhas unhas te machucar
enrole sua perna aqui
de onde não quero mais sair

sei que já deu sua hora
tudo bem pode ir embora
não prometo te esperar
mas sorria quando você deitar e

me ver chegar mais cedo
percebo que você deixou crescer
a vontade de se livrar do medo
de me amar, de tudo acontecer

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

A beira de onde eu temo cair

A beira de onde eu temo cair
me vejo esperando você entrar
Da porta de onde te vi sair
Não quero atravessar

O que me espera lá fora?
Quanto custa arriscar
O tempo de outrora
jamais irá volta

Peco no medo de sobreviver
tentar fingir o que não posso ser
Como outros dizem se melhor
A formula para não estar só.

A beira de onde eu temo cair
Eu penso em me jogar
com medo de conseguir
de uma vez te superar

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Raízes

Se esquivando como sempre soube fazer
mas ainda não percebeu que suas raízes
Estão presas onde não te fazem crescer
Vivendo uma mentira onde as emoções são as atrizes.

Consegue enxergar o peso de cada palavra dita?
entre as novas paredes ou soltas no vento
faz com que cada vontade contida
acolha um pouco mais de sofrimento

Olha quanto frio faz
Na ausência do bom calor
E com o medo a luz jaz
abrindo caminho para o escuro da dor.

Há um porque de cada direção
Seja ele o desavio, seja ele o que sempre se quis
As raízes deveriam servir de impulsão
E não como peso de algo que sempre se diz

E nunca é feito como se pensa que seria
O rumo também tem suas decisões
ninguém saberia que a atriz mentiria
fazendo seguir suas pretensões

Achando algo novo
Que fez tão bem
Alimentando o gosto
do melhor que a vida tem.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Enquanto o Mar içar os sonhos

Foi só o amanhecer chegar
então eu pude perceber
o quanto foi bom você ficar
o quanto foi bom te conhecer.

e quando de ti, eu descubro mais pouco
é como sentir o mar içar minha força,
me sinto leve, um pouco bobo
peço para ele, que por nós, torça.

Que venha de lá o caminho
desenhado na linha torta, feita
das ondas, de seu horizonte.
Dessa vez não navegar sozinho
Amar a brisa que vem longe.

e quando de ti ganho mais uma noite
é como sentir o mar içar meu voo
e dentro dele não toco o chão,
fora dos limites do que sonho
mergulhei onde não há razão.



quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Salão

Sempre dançou colado
antes viver fechado
Para não se entregar a um vago amor
sempre foi de se opor.
Calejado por conta própria
se isolou para se encontrar
nas vozes da sua estória
falava baixo o que devia gritar.
Mas tudo foi questão
de passar mais uma estação
e ver florir em si
o que sempre esteve ali
ela atravessou dançando
seguindo a melodia
ele a encarava com medo
enquanto seu peito ardia.
Ela tragou seu fumo
ele respirava devagar
ela atravessou seu rumo
ele já não podia evitar.